André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Imagem Celso Ming
Colunista
Celso Ming
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Juros básicos no seu nível mais baixo

Não se dá mais como certo novo recuo da Selic em janeiro do próximo ano

Celso Ming, O Estado de S.Paulo

11 de dezembro de 2019 | 19h05

Os juros básicos (Selic) estão agora no piso histórico de 4,5% ao ano. O fato de ter sido decisão do Copom amplamente esperada não tira sua importância, tanto para a economia como, também, para o dia a dia do brasileiro.

Como se conclui a partir do comunicado divulgado logo após a reunião do Copom, já não se dá como certo para janeiro novo recuo da Selic. Mas esses juros baixos deverão continuar a produzir efeitos relevantes.

O relatório do Tesouro já informara que, em outubro, o estoque da dívida pública federal caiu 0,84% em relação à posição de setembro, em boa parte graças à queda dos juros. O barateamento do crédito reduziu os custos da produção e aumentou a demanda por mercadorias e serviços. Incentivada por inflação sob controle e na meta, a confiança também vai readquirindo força. Nesta quarta-feira, por exemplo, o CDS (Credit Default Swap) do Brasil, de 5 anos, importante medidor de confiança, caiu aos 109 pontos, nível mais baixo desde maio de 2013 (veja o Confira).

Convém pontuar que os juros não teriam desabado até esse ponto se a inflação não tivesse sido domada sem artificialismos. O repique de novembro (inflação de 0,51%), que em alguma proporção deverá se repetir em dezembro, não tem a ver com aumento do volume de moeda na economia, mas com outro tipo de impacto: o de custos momentâneos. Os preços da carne, por exemplo, dispararam porque a China aumentou suas importações para suprir a demanda interna, prejudicada pela peste suína. E foi o esticão nas cotações do dólar que encareceu os produtos importados, os derivados do petróleo e alguns alimentos de presença importante na cesta de consumo do brasileiro.

Há consenso de que a queda da inflação e dos juros é fenômeno estrutural da economia e não apenas episódico. Daí a pergunta insistente: até que ponto os juros podem se manter nesse patamar ou podem até cair? Por acaso, o aumento da demanda que viria com o aumento da renda não empurraria a inflação novamente para cima?

A resposta tem a ver com a capacidade que o País terá de controlar a dívida pública. Se as reformas continuarem e se as despesas se mantiverem sob controle, não haverá razões graves que revertam o comportamento favorável da inflação. Nos países ricos, os juros chegam a ser negativos, fator que ajuda a mantê-los no chão também por aqui. E há muita tecnologia a ser incorporada no Brasil, para redução de custos e aumento da produtividade, portanto para contenção dos preços. Se o aumento da demanda vier acompanhado por mais produção, não haverá por que temer por nova puxada da inflação.

Juros a 4,5% ao ano no Brasil já recanalizaram aplicações financeiras antes depositadas em ativos de renda fixa para a renda variável, especialmente ações. Contados a inflação do ano, a taxa de administração e o Imposto de Renda, o retorno real da maioria das aplicações de renda fixa está muito perto do zero ou até mesmo abaixo disso. Se não acontecer nenhum desastre, essa migração para a Bolsa deve se acentuar.

CONFIRA

» Tombo na avaliação de risco

O gráfico mostra a evolução do CDS (Credit Default Swap) dos títulos do Tesouro brasileiro de 5 anos. O índice mede o nível de confiança. Um CDS alto mostra que o investidor tem em conta alto risco de calote. Se ele é cadente, reflete um 'seguro' mais baixo. O investidor tem a percepção de que a economia vai melhorando, graças às reformas e à política fiscal responsável. O recuo do CDS é fonte de pressão para que as agências de avaliação de risco melhorem a nota do Brasil, hoje em grau de especulação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.