Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Juros caem e crédito total chega a 32,3% do PIB em junho

As taxas de juros cobradas pelosbancos caíram em junho para níveis recordes, acompanhando aredução da Selic, enquanto o estoque total de crédito no paíscresceu 1,3 por cento. Os dados, divulgados pelo Banco Central nesta quarta-feira,mostraram que o volume total de crédito atingiu 799,2 bilhõesde reais no mês passado, o equivalente a 32,3 por cento doProduto Interno Bruto (PIB). Levando em conta apenas as operações com recursos livres,cujas taxas não são definidas por normas do governo, o volumede crédito em junho era equivalente a 22,6 por cento do PIB,frente a 22,4 por cento em maio. Esse crescimento poderia ter sido maior não fosse ainfluência de um fator sazonal, afirmou o chefe do DepartamentoEconômico do BC, Altamir Lopes. Segundo ele, em junho, osdevedores tradicionalmente usam recursos da restituição doImposto de Renda para quitar débitos. A taxa média de juros cobrada pelos bancos caiu para 37,0por cento ao ano, frente a 37,4 por cento em maio, chegando aomenor nível da série do BC, iniciada em 2000. O juro médio cobrado das pessoas físicas também está nomenor nível da série, em 48,4 por cento ao ano, ante 48,6 porcento em maio. A taxa média cobrada das empresas recuou frente a maio --de24,3 por cento para 23,7 por cento--, mas ainda está acima dopatamar mínimo, de 23 por cento de setembro de 2002. Issoocorre, segundo Lopes, porque, em 2002, o custo dos empréstimosreferenciados em dólar calculado pelo BC sofria o impacto daexpectativa de valorização da moeda. "Ainda assim, dados preliminares dos primeiros dez diasúteis de julho já mostram que a taxa para as empresas rompeuesse limite e está em 22,9 por cento ao ano." Ele acrescentou que a redução dos juros está levandoalgumas grandes empresas a migrar do mercado de capitais devolta ao sistema financeiro para se financiar. O spread bancário --diferença entre a taxa de captação dosbancos e a cobrada dos clientes-- passou para 26,1 pontospercentuais, frente a 26,2 pontos no mês anterior. (Por Isabel Versiani)

REUTERS

26 de julho de 2007 | 01h22

Tudo o que sabemos sobre:
NEGOCIOSBACENCREDITOATUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.