Juros com cheque especial chegam a 171,5%

A taxa média de juros cobrada pelos bancos nas operações com cheque especial atingiu 171,5% ao ano no mês de janeiro. Houve um aumento de 7,6 pontos porcentuais em relação à média apurada em dezembro de 2002, quando a taxa média de juros do cheque especial era de 163,9% a.a.. Os dados foram divulgados hoje pelo Departamento Econômico (Depec) do Banco Central. O levantamento revela ainda um aumento de 3,5 pontos porcentuais nos juros médios cobrados nas operações de crédito pessoal. Nessas operações, os juros passaram de uma média de 91,8% a.a. em dezembro do ano passado para 95,3% a.a. em janeiro.Nas demais operações de financiamento destinadas às pessoas físicas, com recursos livres, houve uma queda na taxa de juros média, o que fez com que a taxa global de financiamento para pessoas físicas recuasse de uma média de 83,5% a.a. em dezembro de 2002 para 82,7% a.a. no mês passado. No crédito oferecido pelos bancos para aquisição de bens, por exemplo, os juros cobrados passaram de 58,9% a.a. para 57,1% a.a.. Nas operações de crédito para empresas, os bancos aumentaram em 3,6 pontos porcentuais a média dos juros cobrados, elevando portanto a taxa de aplicação de 30,9% ao ano, apurada em dezembro de 2002, para 34,5% a.a. em janeiro de 2003. A taxa de juros mais alta cobrada das empresas refere-se às operações de desconto de promissórias, que passaram de uma média de 50,9% a.a. para 54,8% a.a.. A única queda significativa de juros verificada nas operações feitas com empresas foi nas chamadas contas garantidas, que tiveram sua taxa média de juros reduzida de 77,3% a.a. para 73,7% a.a.. Conta garantida é um crédito vinculado à conta bancária da empresa. Os bancos oferecem um determinado limite de crédito para essas empresas utilizarem de acordo com sua conveniência, aplicando a taxa de juros mencionada.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.