Juros continuam caindo e País crescerá 4%, diz Mantega

O novo ministro da Fazenda, Guido Mantega, que tomará posse às 15 horas em substituição a Antônio Palocci, disse nesta terça-feira que a política de redução dos juros vai continuar e que a economia brasileira deve crescer mais de 4% neste ano.Em entrevista exclusiva à Agência Estado e à Rádio Eldorado, ele afirmou que a política monetária é a mais acertada que já se fez no País. Mantega tentou dissipar as apreensões sobre mudanças no Banco Central e outras mudanças na equipe econômica."A autonomia do BC é decidida pelo Presidente da República e a equipe fica enquanto Lula julgar necessário", declarou. "Isso não impede que se dialogue e se troque idéias sobre os juros", ponderou.Quanto a sua defesa de uma Taxa de Juros de Longo Prazo a 7%, Mantega disse que não mudou de idéia. "Mudei de função, mas não de idéia", afirmou. Amanhã, o Conselho Monetário Nacional se reúne para fixar a TJLP, que atualmente está em 9%.JurosPerguntado sobre declaração que havia dado quando presidia o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), afirmando que o BancoCentral "errou a mão nos juros", Mantega reconheceu que fez a declaração crítica à política monetária. Contudo, admitiu que "não é fácil acertar a dose dos juros".Além disso, afirmou que "isso (os juros altos) já está sendo corrigido" com as quedas da Selic. "A política de juros está em trajetória positiva", disse, reafirmando que a queda da taxa básica vai continuar.O ministro afirmou que o ano eleitoral não influirá no trabalho do Ministério da Fazenda, mas que isso "não impede que se dialogue e troque idéias sobre juros".CrescimentoMantega também procurou explicar sua previsão de crescimento do PIB entre 4% e 4,5%, acima da mediana das previsões do mercado, de 3,5%."Temos todas as condições para crescer acima de 4%", afirmou, observando que sua previsão se baseia no fato de o ano já ter começado mais forte em termos de atividade.Mantega disse que a economia já está rodando na casa de 4% a 4,5% neste início de ano. "Todos os indicadores na economia são positivos", enfatizou o novo titular da Fazenda.MercadoO novo ministro garantiu que não há razão para nervosismo no mercado financeiro. Entre outros motivos, disse, porque o "perfil da dívida continua na mesma direção". O ministro também voltou a afirmar que não haverá mudanças na política econômica, que é "a mais acertada que já se fez no País"."A responsabilidade fiscal foi uma conquista deste governo", afirmou. "Nunca o Brasil teve política tão responsável e isso vai continuar", acrescentou.Mantega também observou que Brasil nunca esteve tão sólido para enfrentarturbulências e disse não acreditar na ocorrência de uma crise externa. "O cenário é favorável".Perguntado sobre o crescimento dos despesas públicas, Mantega afirmou que vai examinar esta questão mais de perto nos próximos dias, mas adiantou que não vê uma situação preocupante."Os gastos estão controlados e dentro do previsto", afirmou. Ainda segundo Mantega, O superávit primário será respeitado rigorosamente.EquipeO novo ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse que deve definir o seu secretário-executivo nas próximas 24 horas. Murilo Portugal, que ocupava a secretaria-executiva, deixou o cargo na segunda-feira, depois da saída de Antonio Palocci do Ministério.Mantega disse que vai nomear também um novo secretário do Tesouro, ocupado atualmente por Joaquim Levy, que está deixando o cargo para assumir a vice-presidência do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).Este texto foi atualizado às 10h36.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.