Juros de 16,5% afetam investimentos, diz indústria

A Confederação Nacional da Indústria considerou que, ao manter os juros em 16,5% ao ano, o Comitê de Política Monetária do Banco Central frustrou mais uma vez o setor produtivo. A decisão ?atua de forma negativa sobre as expectativas dos agentes econômicos, o que vai afetar decisões de investimento?, disse a entidade em nota. Para a CNI, o Banco Central ?superestimou certas pressões inflacionárias sazonais e pontuais que ocorreram no início do ano e que já davam claros sinais de desaceleração?.A confederação considera que, apesar de algumas turbulências, as condições gerais da economia brasileira vêm melhorando desde dezembro: o risco-Brasil recuou, a taxa de câmbio continua abaixo de R$ 3,00 e a expectativa de inflação para os próximos 12 meses continua apontando para a cumprimento da meta estabelecida pelo governo. A CNI observa que a atividade econômica está dando sinais de uma recuperação moderada, sem apontar para excesso de demanda que possa pressionar a inflação.A entidade diz que o cenário internacional é positivo, com recuperação da economia mundial, aumento dos fluxos financeiros e comerciais com os países desenvolvidos e taxas de juros extremamente reduzidas. ?Lamentamos a posição do Banco Central que, ao nosso ver, vai comprometer e, de alguma maneira, postergar, o processo de recuperação do investimento e da atividade produtiva que queremos e que toda sociedade brasileira gostaria de ver antecipado?, diz a nota.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.