Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Juros de empréstimo pessoal têm leve alta em novembro

Taxa média cobrada pelos bancos sobe 0,01 ponto porcentual no mês, segundo pesquisa do Procon-SP

AMANDA VALERI, Agencia Estado

13 de novembro de 2007 | 16h40

As taxas médias de juros cobrados em empréstimo pessoal tiveram alta de 0,01 ponto porcentual em novembro, apontou pesquisa realizada pela Fundação Procon-SP. Já as taxas do cheque especial permaneceram praticamente estáveis no mês. A pesquisa foi realizada nos dias 5 e 6 de novembro nos bancos HSBC, Santander, Banespa, Bradesco, Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, Itaú, Safra, Nossa Caixa, Real e Unibanco.   De acordo com levantamento do Procon, em novembro a taxa média de juros para empréstimo pessoal variou de 5,26% para 5,27% ao mês. A taxa média equivalente ao ano foi de 85,12%. Dos 11 bancos pesquisadas, apenas o HSBC alterou para cima (0,44%) sua taxa, passando de 4,56% para 4,58% ao mês. No contrato de 12 meses para clientes não preferenciais, O Itaú apresentou maior juros no empréstimo pessoal, de 5,92% ao mês. A Nossa Caixa foi a que teve menor cobrança, de 4,25%.   A pesquisa apontou estabilidade nas operações de cheque especial em novembro. A taxa média de juros foi de 8,22% ao mês, a mesma verifica em outubro. Segundo a instituição, o resultado foi o mesmo em função do arredondamento de casas decimais. O levantamento mostrou que a taxa média equivalente ao ano foi de 157,73%.   A única queda verificada na taxa foi do Itaú, que alterou de 8,47% para 8,45% ao mês, o que representou um recuo de 0,24% em relação à taxa de outubro. Considerando o período de 30 dias e clientes não preferenciais, o Safra cobrou a maior taxa, (9,29% ao mês) e a Caixa Econômica Federal, a menor (7,20% ao mês).

Tudo o que sabemos sobre:
Jurosempréstimos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.