Juros do cheque especial e empréstimo pessoal estão mais altos

A taxa média de juros do cheque especial nos bancos de São Paulo em abril é de 9,49% ao mês, acréscimo de 0,05 pontos percentuais em relação ao mês passado. Esse é o resultado da pesquisa realizada pela Fundação Procon-SP, órgão de defesa do consumidor ligado ao governo estadual, nos dias 8 e 9 de abril em treze instituições financeiras. A taxa de juros média do empréstimo pessoal é de 6,22% ao mês, acréscimo de 0,12 pontos percentuais em relação ao mês passado, quando taxa era de 6,10% ao mês.A coleta de dados do Procon-SP foi realizada nas seguintes instituições: HSBC, Banespa, Bradesco, Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, Banco Bilbao Vizcaya Brasil (BBV), Itaú, Santander, Nossa Caixa, Real, Unibanco, Mercantil de São Paulo e Banco de Crédito Nacional (BCN).Empréstimo PessoalA taxa média do empréstimo pessoal teve um acréscimo de 0,12 pontos percentuais em relação ao mês de março e, segundo a pesquisa do Procon-SP, está em 6,22% ao mês. Nenhuma queda foi constatada pelo Procon-SP na taxa de juros do empréstimo pessoal.As instituições que elevaram, de acordo com a pesquisa, foram: Nossa Caixa, que alterou de 3,95% ao mês para 4,75% ao mês; o Banco Real, que alterou de 5,95% ao mês para 6,40% ao mês; e o Bradesco, que alterou de 6,40% ao mês para 6,65% ao mês.Cheque EspecialDe acordo com o estudo, a taxa média de juros no cheque especial é 9,49% ao mês, o que representa um acréscimo de 0,05 pontos percentuais em relação ao mês de março, em que a taxa foi de 9,44% ao mês. Segundo o Procon-SP, nenhum banco promoveu queda das taxas de juros do cheque especial. As altas verificadas nas taxas de cheque especial ocorreram no Unibanco, que alterou de 8,90% ao mês para 9,40% ao mês; e no Bradesco, que alterou de 9,70% ao mês para 9,80% ao mês.O Procon-SP destaca que a decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) em manter a taxa Selic em 26,50% ao ano, mas com viés de alta, demonstra cautela do governo com relação aos índices de inflação e aos efeitos da guerra no Iraque. O órgão de defesa do consumidor destaca que os altos índices de inadimplência registrados nos últimos meses auxiliam na manutenção dos juros altos pelas instituições financeiras.Segundo o Procon-SP, a conjuntura continua desfavorável para os tomadores de empréstimo e o consumidor deve ficar atento, procurando analisar as alternativas de crédito, de modo a amenizar o impacto no seu orçamento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.