finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Juros futuros mantêm ligeira baixa

A expectativa de queda nos juros dos EUA é forte entre os investidores brasileiros e acentuou-se no final desta manhã, depois que foram divulgados os dados sobre a confiança dos consumidores norte-americanos. Alan Greenspan tinha alertado, em seu depoimento ao Senado na semana passada, que esse indicador merecia atenções para a definição da política monetária dos EUA. Como o indicador de confiança mostrou o pior resultado desde 1996, veio endossar a aposta em corte nos juros. E o mercado internacional colocou isso nas taxas de juros negociadas no mercado futuro, enquanto aguarda o resultado da reunião do Fomc, que começou hoje.No Brasil, queda da taxa nos EUA está sendo diretamente associada a corte também na Selic. Isto porque as demais variáveis internacionais - economia argentina e preço do petróleo - continuam sem mostrar diferenças consideráveis. Na BM&F, os investidores seguem negociando os contratos futuros a taxas ligeiramente mais baixas. O contrato de julho, que quase empata em liquidez com o contrato futuro de outubro, estava projetando juro de 15,08%, contra 15,10% ontem. O contrato de abril tinha taxa de 15,00%, contra 15,02% ontem. O contrato de outubro operava no sentido contrário, com taxa de 15,20%, comparada a 15,18% ontem. Os operadores acreditam que esse comportamento de pouca oscilação nos juros permanecerá enquanto não sair o resultado da reunião do Fomc.

Agencia Estado,

30 de janeiro de 2001 | 14h39

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.