Juros futuros recuam e Bolsa sobe 1,79%

O resultado da reunião mensal do Comitê de Política Monetária (Copom), que reavalia a Selic, a taxa básica de juros, sai amanhã. Nesta terça, cresceu o número de analistas que acreditam em uma redução de 0,25 ponto percentual na taxa. Essa mudança de análise tem por base a expectativa de que a inflação fique controlada. De qualquer forma, a maioria dos analistas continua apostando em manutenção do juro no patamar de 16,5% ao ano. No mercado de juros futuros, as taxas dos contratos negociados na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F) encerraram o dia em queda. O título com vencimento em janeiro pagou juros de 15,35% ao ano, ante 15,42% ao ano ontem. O contrato com vencimento em julho pagou juros de 15,78%, ante 15,83% ao ano negociados ontem. O mercado acionário brasileiro acompanhou a recuperação das praças globais, hoje um pouco menos sensíveis ao temor de novos ataques terroristas. A Bolsa de Madri subiu 1,40% e as demais européias registraram ganhos mais modestos. O Ibovespa ? índice que mede o desempenho das ações mais negociadas na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) - fechou em alta de 1,79%, com giro financeiro menor, de R$ 897 milhões. O dólar comercial encerrou o dia cotado a R$ 2,8980 na ponta de venda dos negócios, em queda de 0,24% em relação às últimas operações de ontem. A moeda norte-americana iniciou o dia no patamar de R$ 2,9000 e oscilou entre a máxima de R$ 2,9030 e a mínima de R$ 2,8970. Com o resultado de hoje, o dólar registra baixa de 0,28% em março.

Agencia Estado,

16 Março 2004 | 18h50

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.