Juros futuros recuam mais e Bolsa sobe 1,85%

O resultado do Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S), calculado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), referente à segunda semana de agosto, ficou abaixo do esperado e deve reforçar a corrente mais otimista do mercado que acredita em um corte de até dois pontos percentuais na Selic, a taxa básica de juros da economia, que está atualmente em 24,5% ao ano. O IPC-S - índice que vem ganhando mais atenção do mercado pelo fato de antecipar o resultado do IPCA - ficou em 0,27%, contra previsões que oscilavam entre 0,40% e 0,58% (veja mais informações no link abaixo). A reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), que reavaliará a Selic, inicia sua reuniào amanhã e o resultado será conhecido na quarta-feira.Hoje, os juros futuros recuaram mais um pouco. Os contratos com taxas pós-fixadas e vencimento em janeiro de 2004, negociados na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F), pagavam taxa de 21,220% ao ano, frente a 21,350% ao ano negociados na sexta-feira. Também na expectativa de redução dos juros, os negócios na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) fecharam em alta de 1,85% e volume financeiro de R$ 1,535 bilhão ? elevado, devido ao exercício de opções na Bolsa.O dólar comercial fechou em alta de 0,33% em relação ao fechamento de sexta-feira, cotado a R$ 3,002 na ponta de venda. No mercado de títulos da dívida, o C-Bond ? principal papel da dívida brasileira ?, estava em alta de 0,93%, às 18h15, cotado a 88,313 centavos de dólar; o risco Brasil ? taxa que mede a confiança dos investidores estrangeiros na capacidade de pagamento da dívida, recuava 7 pontos, em 764 pontos base.

Agencia Estado,

18 de agosto de 2003 | 18h54

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.