Juros permanecem inalterados na Inglaterra e zona do euro

O Banco da Inglaterra decidiu manter em 5,25% sua taxa de juro nesta quinta-feira, como era amplamente previsto depois do surpreendente aumento de janeiro. Seguindo a mesma linha, o Banco Central Europeu (BCE) também manteve sua taxa de juro, em 3,5%. Ambas as decisões eram esperadas pelo mercado estrangeiro. Após a reunião, o presidente do BCE, Jean-Claude Trichet, afirmou que as taxas estão baixas e a liquidez é ampla, e que a "forte vigilância permanece essencial", comentários que foram assumidos pelo mercado como sinais de que a taxa de juro na zona do euro será elevada no próximo mês. "O BCE deixou tudo em aberto, quando mudará suas expressões e quando elevará as taxas no futuro", disse Heinz-Gerd Sonnenschein, estrategista do Postbank. Assim, as ações européias fecharam em queda nesta quinta diante das projeções de mais aumentos na taxa e com a queda nos preços do petróleo e outras commodities. O índice FTSEurofirst 300, que reúne as principais ações das empresas européias, caiu 0,84%, para 1.534 pontos. As ações de mineradoras estavam entre as principais quedas, em meio à pressão sobre os preços das commodities após a baixa nas cotações do cobre e do zinco . Em Londres, o índice Financial Times fechou em baixa de 0,36%, a 6.346 pontos. Em Frankfurt, o DAX caiu 0,56%, para 6.876 pontos. Em PARIS, houve recuo de 0,66%, para 5.665 pontos. Em Milão, o índice Mibtel encerrou em baixa de 0,79%, a 32.797 pontos. Em Madri, o índice Ibex-35 registrou perda de 0,19%, para 14.826 pontos. Em Lisboa, porém, o índice PSI20 registrou valorização de 0,32%, para 11.805 pontos. O Banco da Inglaterra não divulgou comunicado junto com a decisão desta quinta-feira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.