Juros são "escorchantes", diz ministro do Trabalho

O ministro do Trabalho, Jacques Wagner, qualificou hoje a taxa de juros no Brasil de "escorchante" e disse que eles são responsáveis pela deterioração do mercado de trabalho. "É que estou mais vinculado com a questão do emprego e a gente sente mais", disse o ministro, que está em Genebra participando da reunião da Organização Internacional do Trabalho (OIT).Wagner disse que a queda do custo do capital não será suficiente para fazer a economia crescer. "O desenvolvimento tem várias variáveis. Apenas uma delas é a taxa de juros. Mas há outras como a inflação e será o equilíbrio dessas variáveis que propiciará o crescimento", afirmou. Apesar de não querer fazer uma avaliação sobre quando o País voltaria a crescer, Wagner reconheceu que "não será algo imediato". O ministro rejeitou a hipótese de que o governo pudesse estar preparando algum tipo de pacote econômico para facilitar o crescimento. "Não acredito em pirotecnia. Não adianta alguém chegar e dar um grito de independência", afirmou. Fundos de pensãoNo discurso na OIT, Jacques Wagner disse que o governo quer convencer fundos de pensão de trabalhadores dos Estados Unidos e Europa a destinarem recursos a projetos de médio e longo prazo no País, o que evitaria que os investimentos fossem usados apenas na especulação financeira. Para ele, os recursos desses fundos devem ser aplicados com responsabilidade social. "O que estamos dizendo é que os recursos dos fundos também são usados pelo cassino financeiro internacional", disse.Segundo ele, o governo quer evitar é que fundos formados por trabalhadores de outros países prejudiquem a economia e os trabalhadores. "A especulação financeira, livre de quaisquer paradigmas éticos, busca um fim em si mesmo, justificando a si própria pela lógica do lucro rápido e fácil. Esta é uma situação que precisa ser revertida, especialmente porque significativa parte desses recursos é oriunda de fundos de pensão mantidos por trabalhadores, que não podem continuar sendo aplicados de forma socialmente descomprometida", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.