Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Juros sobem com dados do IBGE

Queda da taxa de desemprego ao menor nível histórico para meses de julho desde 2002 ampara ajuste de alta

Denise Abarca, Claudia Violante e Silvana Rocha, O Estadao de S.Paulo

21 de agosto de 2009 | 00h00

A inesperada queda na taxa de desemprego e a melhora no rendimento médio e na massa salarial no Brasil em julho, mostradas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), provocaram forte ajuste de alta nos juros futuros. A percepção de que o mercado de trabalho saiu de um patamar de resistência à crise para uma efetiva melhora levou os investidores a recompor prêmios da curva, que amparam o ajuste de alta. Os ganhos das Bolsas no exterior também contribuíram para o movimento, sobretudo nos contratos de longo prazo. O juro de janeiro de 2011 subiu a 9,62% e o de janeiro de 2012, a 11,02%. Na direção oposta às expectativas, o desemprego no mês passado caiu para 8,0% da População Economicamente Ativa, ante 8,1% em junho, sendo a menor taxa da série para meses de julho desde 2002. Em Nova York, as bolsas ganharam impulso dos papéis de bancos e dos dados positivos sobre a atividade industrial divulgados pelo Federal Reserve da Filadélfia. O índice Dow Jones avançou 0,76% e o Nasdaq, 1,01%. A Bovespa subiu 1,20%, aos 56.831,48 pontos e cravou a 3º alta seguida, acumulada em 2,92%. O dólar caiu 0,11%, a R$ 1,843 no balcão. FRASEDionísio Dias CarneiroSócio-diretor da Galanto Consultoria"Economia local está sujeita a outra onda negativa vinda do exterior, dada queda do consumo nos EUA e Europa. Não sabemos com que força chegará"

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.