Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Juros sobem com piora no exterior

Taxas futuras foram pressionadas na BM&F em meio ao tombo das bolsas e alta do dólar para perto de R$ 2,30

Claudia Violante, Silvana Rocha e Paula Laier, O Estadao de S.Paulo

13 de novembro de 2008 | 00h00

Os mercados pioraram, ontem à tarde, pressionados por declarações do secretário do Tesouro dos EUA, Henry Paulson, favoráveis a mudanças no bilionário plano de socorro do governo ao setor financeiro. Mais cedo, o ambiente já estava ruim por causa de informações desanimadoras da grande varejista norte-americana Best Buy e a constatação do Banco da Inglaterra (BoE) de que a economia do Reino Unido já entrou em recessão no segundo semestre deste ano. As bolsas terminaram com perdas acentuadas, enquanto o dólar acelerou os ganhos e os juros devolveram as quedas iniciais. Em Nova York, o petróleo dezembro caiu a US$ 56,16 o barril, mais baixo desde 29/1/2007. O índice Dow Jones recuou 4,71%. No Brasil, o juro de janeiro de 2010 avançou a 15,28%. A Bovespa tombou 7,75%, aos 34.373,99 pontos. E o dólar subiu 3,20%, a R$ 2,293 no balcão, e elevou o ganho na semana para 6,35%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.