coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Juros subiram na maioria das modalidades de crédito, avalia BC

Alta generalizada das taxas é consequência da elevação da Selic desde abril do ano passado, segundo Banco Central; juro do cheque especial atingiu maior patamar desde junho de 2012

Victor Martins e Eduardo Rodrigues, Agência Estado

26 de março de 2014 | 12h17

BRASÍLIA - O chefe do Departamento Econômico do Banco Central, Tulio Maciel, avaliou que a alta generalizada dos juros em todas as modalidades de crédito no mês de fevereiro é efeito da elevação da Selic desde abril do ano passado. "O aumento das taxas foi abrangente, subiu na maior parte das modalidades".

Ele destacou que a taxa de juros do cheque especial (156,6% ao ano em fevereiro) chegou ao seu patamar mais alto desde junho de 2012.

A taxa média de juros no crédito total, que inclui crédito livre e as operações direcionadas, subiu de 20,7% em janeiro para 20,9% em fevereiro. No crédito livre, a taxa média de juros subiu de 30,7% ao ano em janeiro para 31,5% ao ano em fevereiro.

Somente na pessoa física, a taxa de juros no crédito livre passou de 39,9% em janeiro para 41,2% em fevereiro. Para pessoa jurídica, houve alta de 22,8% para 23,1%, respectivamente.

Para o crédito pessoal, a taxa total subiu de 43% em janeiro para 43,9% em fevereiro.No caso de crédito consignado, a taxa passou de 24,9 % para 25,1% de janeiro para fevereiro. No caso de aquisição de veículos para pessoas físicas, os juros passaram de 22,7% para 23,6% de um mês para outro.

Spread. Questionado sobre a elevação das taxas mesmo em um cenário de queda de inadimplência, Maciel explicou que outros fatores também influenciam os spreads bancários. "A composição da carteira dos bancos e o perfil dos tomadores também impactam spreads, não apenas a inadimplência", argumentou.

O spread bancário médio no crédito livre subiu de 18,9 pontos porcentuais em janeiro para 19,7 pontos porcentuais em fevereiro, conforme o BC. O spread médio da pessoa física no crédito livre passou de 27,4 pontos porcentuais para 28,7 pontos porcentuais.

Para pessoa jurídica, o spread médio subiu de 11,7 pontos porcentuais para 11,9 pontos porcentuais no período. O spread médio do crédito direcionado subiu de 2,8 pontos porcentuais para 2,9 pontos porcentuais de janeiro para fevereiro.

O spread médio no crédito total (livre + direcionado) passou de 11,8 pontos porcentuais para 12,2 pontos porcentuais. O BC informou também que a taxa de captação dos bancos no crédito livre ficou estável em 11,8% ao ano no período.

Tudo o que sabemos sobre:
BCcréditospread bancario

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.