Justiça autoriza Petrobras a construir plataforma

A Petrobras derrubou a liminar que havia suspendido o contrato com o consórcio Norberto Odebrecht/Ultratec para construir a plataforma PRA-1, na Bacia de Campos, no litoral fluminense. Segundo nota da estatal, a decisão é do juiz Vladimir Santos Vitovsky, da 20ª Vara Federal do Rio de Janeiro, revogando liminar da ação popular movida por Wolney Trindade contra a companhia.A plataforma é motivo de polêmica entre a governadora do Rio de Janeiro, Rosinha Matheus, e a Petrobras. Ela acusa a estatal de ter preterido uma empresa do Rio de Janeiro, o estaleiro Mauá-Jurong, que teria oferecido preços inferiores aos apresentados pela empresa baiana. O contrato oscila em torno de R$ 1 bilhão. Segundo a Petrobras, o juiz concluiu que o consórcio Mauá-Jurong apresentou uma proposta com preços maiores do que a Odebrecht.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.