Agência Minas/Divulgação
Agência Minas/Divulgação

Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

Justiça cancela conta de R$ 2,3 mil  cobrada pela Cemig por ligação irregular

Empresa alegava fraude no medidor, o que levou o consumidor a entrar com ação por danos morais, pedido que foi negado pela Justiça da Minas Gerais

Economia & Negócios,

28 de abril de 2014 | 09h31

SÃO PAULO - A Cemig foi obrigada pela Justiça a cancelar uma conta de R$ 2,3 mil do consumidor C.A.S., acusado de fraudar um medidor de energia elétrica.

A empresa de energia não conseguiu comprovar que ele havia feito uma ligação irregular para economizar nas tarifas.

A decisão da juíza da 2ª Vara da Fazenda Pública Estadual de Belo Horizonte, Lílian Maciel Santos, confirmou a alegação do advogado do consumidor, de que não estava evidente a sua responsabilidade pela violação do aparelho de medir o consumo de energia.

A Justiça, no entanto, negou o pedido do consumidor de indenização por dano moral. Para a juíza, não houve comprovação de possíveis danos sofridos por ele.

 

O consumidor alegou na Justiça que, em junho de 2012, foi surpreendido ao receber um aviso de débito de irregularidades, originado após vistoria realizada pela Cemig, onde foi atribuída a ele a prática de supostas fraudes no medidor.

A empresa apresentou um cálculo de consumo no valor de R$ 2,3 mil. O consumidor afirmou que não era responsável pela fraude.

 

A Cemig contestou o pedido de cancelamento do débito sustentando que, em novembro de 2011, realizou inspeção na residência do consumidor e encontrou diversas irregularidades.

A empresa alegou que ele foi devidamente notificado para acompanhar os trabalhos de aferição, mas não se manifestou. As irregularidades resultaram no faturamento de débitos proporcionais ao período de agosto de 2006 a novembro de 2011.

 

A juíza Lílian Maciel Santos analisou a perícia técnica realiza pela Cemig e confirmou que no documento não havia evidência de que a fraude era responsabilidade do morador.

Além disso, não houve "qualquer irregularidade encontrada quanto aos selos da caixa de medição, os selos da tampa do medidor e os selos da tampa do bloco de terminais do medidor".

Tudo o que sabemos sobre:
CemigDireito do consumidor

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.