Justiça condena Correios a pagar indenização de R$ 10 mil a carteiro assaltado

Justiça condena Correios a pagar indenização de R$ 10 mil a carteiro assaltado

Decisão é em primeira instância; ainda cabe recurso

Cássia Miranda, Especial para O Estado, O Estado de S.Paulo

31 Outubro 2017 | 17h30

A Justiça do Trabalho condenou os Correios a pagar indenização de R$ 10 mil a cada trabalhador de Curitiba e Região Metropolitana que estava em agências assaltadas nos últimos cinco anos. A decisão é de primeira instância e ainda cabe recurso. De acordo com o Sindicatos do Trabalhadores dos Correios do Paraná (Sintcom-PR), responsável pela ação, de 2015 para 2016 os assaltos a Bancos Postais no Estado subiram 600%. A média é de três registros diários. 

Ainda não foram divulgados os números deste ano, mas, de acordo com a entidade, a média de 2017 já é mais alta. “Temos agências que foram assaltadas seis vezes um uma única semana. Sempre com criminosos armados. É crescente o número de funcionários desses locais que sofrerem com síndrome do pânico, depressão, aumento de pressão arterial e riscos cardíacos e de AVC”, diz o secretário geral do Sintcom-PR, Marcos Inocêncio. 

Na sentença, a juíza Christiane Bimbatti Amorim, do Tribunal Regional do Trabalho da 9ª Região, afirma que as agências dos Correios não estão adotando ações suficientes a impossibilitar a atuação de criminosos.  “O fato de não ter sido adotado medidas suficientes a fim de evitar roubos e, via de consequência, abalo mental dos que lá trabalham já enseja em culpa”, despachou a juíza na sentença. A decisão abrange agências de 37 cidades.

Em setembro deste ano, a estatal chegou a anunciar o fim das atividades de Bancos Postais dentro das agências por conta da violência. Os Correios voltaram atrás na decisão e seguem com o serviço até 31 de janeiro de 2018. Em muitas cidades, as agências dos Correios são as únicas a oferecer serviços bancários aos moradores, o que inclui o pagamento de benefícios como INSS e FGTS. 

Mais conteúdo sobre:
Correios Indenização

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.