Justiça considera abusivos juros nos cartões

As administradoras de cartões de crédito não são instituições financeiras e, por isso, não podem cobrar taxas de juros bancárias. Esse é o argumento da Associação dos Direitos Financeiros do Consumidor (Pro-Consumer) para recorrer à Justiça contra a cobrança de juros nos cartões. A Associação já entrou com 6 mil ações. Caso o consumidor ganhe a ação, pode economizar bastante. Para se ter uma idéia, em uma dívida de R$ 2.000,00, o saldo devedor pode chegar a R$ 3.231,34 ao final de oito meses. Isso se o consumidor pagar o valor mínimo mensal de 15%, com o saldo corrigido a uma taxa de 11% ao mês. Pagando a parcela mínima a cada mês, o total de pagamentos ao final de oito meses soma R$ 1.975,41. Mas o consumidor ainda está devendo R$ 1.255,93. Pelo cálculo judicial, a dívida inicial de R$ 2.000,00 aumenta para R$ 2.245,80 depois de oito meses, considerando que nenhum pagamento foi feito durante o período.A ação pede o repasse ao consumidor da mesma taxa de juros paga pela administradora na captação dos recursos. A maioria dos contratos assinados pelos usuários do cartão com a administradora autoriza a empresa a captar recursos em nome do cliente. Essa captação é geralmente feita com uma taxa de 1% a 1,5% ao mês. A ação questiona ainda a cobrança mensal da multa de 2% sobre o atraso. O telefone da Pro-Consumer é (0--11) 3107-9949.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.