Justiça continua avaliando proposta da VarigLog

Representantes da VarigLog, da Deloitte e do Ministério Público, o juiz responsável pelo processo de recuperação judicial da Varig, Luiz Roberto Ayoub, da 8ª Vara empresarial do Rio de Janeiro e advogados da companhia, participaram de reunião que se estendeu noite adentro nesta segunda-feira para discutir a oferta de compra da aérea feita pela sua ex-subsidiária, no valor de US$ 500 milhões. O encontro teve início pela manhã, foi suspenso em seguida, e retomado às 15 horas. A interrupção foi necessária para que a consultoria Deloitte, o presidente da Varig, Marcelo Bottini, e o promotor do Ministério Público do Rio, Gustavo Lunz avaliassem um documento enviado pelos advogados da VarigLog, no qual a ex-subsidiária toma posição sobre o parecer do administrador judicial da Varig, que questiona o preço mínimo.Até as 20hs, a reunião não havia terminado. O principal questionamento da Justiça e da Deloitte é sobre como o valor mínimo de R$ 277 milhões seria destinado à chamada Varig antiga (empresa que herdará as dívidas da companhia) pagar os credores. A proposta total é de cerca de R$ 1 bilhão e o restante vai para Varig Nova. O passivo atual da empresa gira ao redor de R$ 7,9 bilhões. Na sexta-feira passada, um parecer da Deloitte considerou que a proposta da VarigLog é financeiramente pior do que a arrecadação de recursos que seria gerada numa eventual falência.Além disso, credores também questionam como a Varig antiga, que seria desmembrada da operação principal, teria fluxo de caixa para honrar os seus débitos. "Estamos trazendo as explicações que a Deloitte pediu. Não há nenhuma definição sobre alterações econômico-financeiras", afirmou o advogado da VarigLog, João Afonso de Assis, ao chegar ao Tribunal de Justiça (TJ), às 13hs.A audiência desta segunda-feira foi pedida pela Deloitte justamente para tentar chegar a um consenso sobre o valor mínimo, com o objetivo de garantir o pagamento dos credores. De acordo com um representante de um grupo de credores da Varig, caso a proposta da VarigLog permaneça a mesma, a tendência é de que os credores, que são privados, se abstenham numa possível assembléia para votar a proposta. "A Deloitte fez o papel dela. Para todos os credores, a posição é igual: eu quero receber meus créditos", afirmou o representante.Novo depósito Apesar do impasse que persiste sobre a venda da Varig, a VarigLog, principal candidata à compra, depositou nesta segunda-feira a 11ª parcela de um empréstimo para companhia aérea arcar com seus gastos emergenciais.Nesta segunda-feira, a VarigLog fez mais um depósito para custear a operação da Varig, mas o valor não foi divulgado. Estes recursos fazem parte de um empréstimo total de US$ 20 milhões que a ex-subsidiária se propõe a desembolsar até a realização de um novo leilão da companhia. Até a última sexta-feira, haviam sido depositados US$ 11 milhões. Ainda nesta segunda-feira, a Varig pagou R$ 175 mil para a Infraero, referentes ao pagamento das taxas aeroportuárias de hoje.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.