Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Justiça declara inválida licença ambiental da usina Teles Pires

Ação ressalta que há dados que mostram danos irreversíveis à qualidade de vida e patrimônio cultural dos povos indígenas da região  

Luciana Collet, da Agência Estado,

27 de março de 2012 | 16h44

SÃO PAULO - A Justiça Federal no Mato Grosso declarou inválida a licença ambiental de instalação da usina hidrelétrica (UHE) Teles Pires e determinou a suspensão das obras do projeto, em especial as detonações de rochas naturais que vêm ocorrendo na região de Salto de Sete Quedas. Em decisão datada de ontem, a juíza Célia Regina Ody Bernardes, da 2º Vara Federal de Mato Grosso, concedeu a Medida Liminar pleiteada pelos Ministério Público do Estado de Mato Grosso (MP/MT), Ministério Público Federal no Pará (MPF/PA) e em Mato Grosso (MPF/MT) para suspender o licenciamento da usina.

Na ação ajuizada no último dia 16, os procuradores da República e promotores de Justiça autores da ação alegaram que o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) concedeu a licença ambiental sem cumprir determinação constitucional que obriga a realização de consulta livre, prévia e informada dos povos indígenas afetados e não ouviu os povos Kayabi, Munduruku e Apiaká.

A ação do MP ressaltou também dados que mostram a existência de danos iminentes e irreversíveis para a qualidade de vida e patrimônio cultural dos povos indígenas da região, dentre os quais a inundação das corredeiras de Sete Quedas, que, segundo os procuradores, é considerada uma área sagrada para os indígenas. Outras ameaças à vida indígena citadas pelo MP são os iminentes conflitos gerados pelo aumento do fluxo migratório na região, como a especulação fundiária, desmatamento ilegal, pesca predatória e exploração ilegal de recursos minerais.

"Os documentos juntados nestes autos demonstram que a Licença de Instalação nº 818/2011 não atendeu à normativa constitucional e convencional acerca das sensíveis questões envolvidas no complexo licenciamento ambiental da UHE Teles Pires. O Ibama emitiu a Licença sem, antes, ouvir os povos indígenas afetados, em especial aqueles que cultuam o Salto Sete Quedas como lugar sagrado", diz a decisão judicial. "Agindo assim, o Ibama descumpre obrigação internacionalmente contraída pela República Federativa do Brasil, notadamente a de aplicar a Convenção 169 da OIT sobre povos indígenas e tribais", conclui.

A juíza determinou multa diária no valor de R$ 100 mil em caso de eventual descumprimento da decisão.

A concessão da usina Teles Pires, de 1820 MW, pertence à Companhia Hidrelétrica Teles Pires, na qual o grupo Neoenergia detém 50,1%, as subsidiária da Eletrobras Eletrosul e Furnas possuem 24,5% de participação, cada, e os 0,9% restantes são da Odebrecht, que também participa do consórcio construtor da hidrelétrica, juntamente com Alstom, Voith, PCE e Intertechne.

Tudo o que sabemos sobre:
teles pireslicença ambientaljustiça

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.