Justiça determina prazo para ex-banqueiro entregar mansão

O ex-banqueiro Edemar Cid Ferreira tem 40 dias para deixar a mansão onde mora no bairro do Morumbi, zona sul de São Paulo. O juiz Fausto Martin de Sanctis, da 6ª Vara Federal Criminal de São Paulo, determinou na terça-feira que o antigo controlador do Banco Santos deixe a casa avaliada em R$ 50 milhões, repleta de obras de arte e peças de decoração que deverá ser transformada em museu, administrado pela Secretaria de Estado da Cultura.O Banco Santos faliu deixando um rombo de mais de R$ 2 bilhões e um rastro de irregularidades. A casa onde Edemar vive concentra as peças mais valiosas de sua coleção de arte. Durante a fase de transição entre a saída de Edemar e a tomada de posse da casa pela Secretaria de Cultura, o imóvel será vigiado pela Polícia Federal e pela Polícia Militar. O juiz determinou que Edemar só deixará a mansão com o acompanhamento de oficiais de Justiça e deverá entregar todas as chaves à Justiça . Além disso, deverá instruir os funcionários da Justiça sobre o funcionamento de todos os equipamentos de segurança do imóvel. Desde de 18 de fevereiro, o imóvel e a coleção de artes do ex-banqueiro estão bloqueados a pedido do procurador da República Silvio Martins de Oliveira, que investiga os crimes contra o sistema financeiro e a lavagem de dinheiro praticados por Edemar frente ao Banco Santos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.