MARCOS DE PAULA/ESTADÃO/19/01/2012
MARCOS DE PAULA/ESTADÃO/19/01/2012

Justiça do Trabalho tem 'ajuda' de R$ 1 bi da União para não estourar teto de gastos

Para evitar o descumprimento do mecanismo que limita o crescimento das despesas à inflação, órgão da Judiciário recebeu aporte do Executivo no segundo ano de vigência da lei

Idiana Tomazelli e Adriana Fernandes, BRASÍLIA

09 de março de 2019 | 21h40

A Justiça do Trabalho precisou de uma ajuda de quase R$ 1 bilhão do Poder Executivo no ano passado para cumprir o limite previsto pela política de teto de gastos – que estabelece que as despesas federais não podem subir acima da inflação. Com isso, no segundo ano de vigência da lei, o órgão foi o campeão no uso dos recursos da União para se enquadrar às regras. 

A emenda do teto, aprovada em 2016, concedeu três anos para que os órgãos da administração pública se ajustassem à nova dinâmica das despesas, permitindo que o Executivo cedesse até 0,25% de seu limite de gastos para compensar eventuais excessos. Esse instrumento foi criado para acomodar uma série de reajustes salariais que haviam sido aprovados meses antes e que estão sendo incorporados até hoje às remunerações dos servidores.

O limite de gastos inicial da Justiça do Trabalho em 2018 era de R$ 17,495 bilhões, mas o gasto efetivo acabou ficando em R$ 18,48 bilhões, o que exigiu uma compensação da União de R$ 984,7 milhões. 

Alerta

A necessidade recorrente dos órgãos de usar essa margem adicional prevista na lei acendeu o alerta na área econômica, que vê com preocupação o fato de 2019 ser o último ano em que essa compensação será possível. Sem controlar suas despesas, eles ficarão, a partir de 2020, sujeitos a sanções que preveem, por exemplo, proibição de contratações e novos aumentos salariais.

No caso do Judiciário – que além da Justiça do Trabalho é formado por outros cinco órgãos, que igualmente estouraram o limite de gastos –, existe o agravante da pressão trazida pela aprovação, em 2018, do reajuste de 16,38% nos salários dos juízes, que entrou em vigor no início deste ano. O aumento foi dado em troca do fim de “penduricalhos” como o auxílio-moradia, mas há uma tentativa da categoria de manter esses benefícios.

Para este ano, o Conselho Superior da Justiça do Trabalho (CSJT) – responsável pela supervisão administrativa, orçamentária, financeira e patrimonial dos 24 Tribunais Regionais do Trabalho e das Varas do Trabalho – reconheceu que precisará recorrer novamente à compensação “para cobrir a última parcela do reajuste dos servidores e o reajuste do subsídio dos magistrados que ainda não foi absorvido” e que o planejamento orçamentário e financeiro do órgão foi feito considerando a existência da compensação. 

O órgão assegurou, porém, que tem adotado outras medidas para adequar suas despesas ao teto a partir de 2020, como racionamento de gastos com material, energia e telefone, incremento do uso do teletrabalho, renegociação de valores de aluguéis e revisão dos contratos de prestação de serviços.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.