Justiça dos EUA pode mover ação criminal contra empregados da GM

Promotores da justiça federal dos Estados Unidos estão fechando uma ação contra a General Motors, pela morte de mais de 100 pessoas, em consequência de falha na ignição. Os promotores decidem se irão acusar criminalmente funcionários da GM individualmente, disseram pessoas próximas ao caso.

Estadão Conteúdo

23 Maio 2015 | 13h50

O promotor de Manhattan acusou a GM de descumprir a lei ao fazer declarações mentirosas sobre a falha na ignição no modelo antigo do Cobalto e outros automóveis há mais de uma década. A empresa pode ser penalizada com uma multa superior a US$ 1 bilhão. A GM pode ser considerada culpada ou entrar em um acordo com a justiça.

As investigações estão em estágio avançado e embora a empresa deva esforçar-se ao máximo para evitar ser processada, pode se tornar o segundo caso aberto por promotores em meio a uma campanha sem precedente contra as montadoras por conta de problemas de segurança.

"Estamos cooperando totalmente com todas as exigências, mas não somos capazes de comentar sobre o andamento das investigações", disse um representante da GM neste sábado.

O Departamento de Justiça abriu processo criminal contra a Toyota, que foi multada por danos causados em função de aceleração repentina, depois de estabelecer um acordo com a Justiça.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.