Justiça Federal volta a proibir fusão Varig-TAM

Uma decisão tomada pela 3ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, nesta terça-feira, voltou a impedir a Fundação Ruben Berta, controladora da Varig, de efetuar a fusão com a TAM. Os juízes revogaram a autorização para a fusão dada no dia 24 de setembropelo juiz substituto da 4ª Vara Federal de Porto Alegre, Fernando Zandoná, e determinaram que a proibição vigore até que o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) se pronuncie sobre a questão. Também estabeleceram multa diária de R$ 100 mil se a determinação não for cumprida.O desembargador federal Luiz Carlos de Castro Lugon, que em fase anterior do processo já havia expedido uma liminar impedindo a fusão, disse que a Varig e a TAM devem manter suas individualidades jurídicas, operacionais, políticas e administrativas até que a operação seja aprovada pelo Cade. A argumento do Ministério Público Federal, que deu início à ação, é de que a assinatura do contrato criaria uma companhia aérea nacional detentora de mais de 70% do mercado doméstico. Nestas condições, avalia o juiz federal substituto Moacir Camargo Baggio, a nova empresa poderia ser enquadrada na Lei Antitruste.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.