Hussein Malla/AP - 29/9/2020
Hussein Malla/AP - 29/9/2020

Justiça holandesa condena Carlos Ghosn a devolver 5 milhões de euros à Nissan e Mitsubishi

Ex-executivo acusado de fraude havia recorrido ao tribunal cobrando valores por suposta demissão ilegal, mas foi condenado a devolver salários recebidos; a aliança Nissan-Mitsubishi é controlada por uma empresa holandesa

AFP

20 de maio de 2021 | 09h48

HAIA, Holanda - O ex-presidente do grupo automobilístico franco-japonês Renault-Nissan, Carlos Ghosn, acusado de fraude, terá de devolver 5 milhões de euros (cerca de US$ 6 milhões) à aliança Nissan-Mitsubishi, decidiu nesta quinta-feira, 20, a justiça holandesa. O valor foi pago a ele em salários.

Em nota, um tribunal de Amsterdã explicou que o dirigente foragido não tinha direito às quantias recebidas "porque não havia contrato entre ele e a empresa", que é controlada por uma companhia holandesa.

Ghosn exigiu no tribunal holandês o pagamento de 15 milhões de euros (cerca de US$ 18 milhões) por suposta demissão ilegal. Em troca, o tribunal determinou que é Ghosn quem deve pagar à Nissan-Mitsubishi.

O ex-ecutivo é procurado pelos tribunais do Japão, de onde fugiu no fim de 2019 para o Líbano enquanto estava sob fiança e aguardava julgamento por suposto desfalque financeiro na Nissan.

O franco-libanês-brasileiro, sobre quem pesa um pedido de prisão da Interpol, permanece fora do alcance da justiça japonesa porque o Líbano não extradita seus nacionais. No entanto, a justiça libanesa o proibiu de deixar o país.

Tudo o que sabemos sobre:
Carlos GhosnNissanMitsubishiRenault

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.