EFE/ Koichi Kamoshida
EFE/ Koichi Kamoshida

Justiça japonesa nega pedido de liberdade de Carlos Ghosn

Ex-presidente da Nissan é acusado de ocultar remunerações multimilionárias

EFE, O Estado de S.Paulo

15 Janeiro 2019 | 07h11

Um tribunal do Japão rejeitou, nesta terça-feira, 15, conceder liberdade ao ex-presidente da Nissan, o brasileiro Carlos Ghosn, mediante o pagamento de fiança. Ghosn está preso há quase dois meses por supostamente ocultar remunerações multimilionárias e outras irregularidades.

A corte de Tóquio, responsável pelo caso, negou o pedido apresentado pelos advogados de Ghosn na última sexta-feira, 11, quando finalizava o prazo de prisão provisória do empresário.

Ghosn, de 64 anos, está sob custódia das autoridades japonesas em um centro de detenção de Tóquio desde o dia 19 de novembro do ano passado e enfrenta acusações formais por não declarar parte das suas rendas acordadas com a empresa durante oito anos e violar a confiança da Nissan.

Desta forma, a decisão, que pode ainda ser recorrida pela defesa de Ghosn, aponta que o executivo permanecerá preso pelo menos até o dia 10 de março, quando completará o prazo de dois meses depois da última acusação formal apresentada pela promotoria.

Seus próprios advogados reconheceram na semana passada que é pouco provável que o brasileiro deixe a prisão antes do início do julgamento. A complexidade do caso poderia fazer com que o processo de investigação prévio à abertura do julgamento se estenda por seis meses ou até um ano, afirmou um porta-voz da promotoria.

Contra Ghosn pesam duas acusações formais por não ter declarado parte das sua remuneração como executivo da Nissan Motor em dois períodos, entre 2011 e 2015 e entre 2015 e 2018.

A promotoria também acusa o brasileiro de ter violado a legislação empresarial japonesa ao utilizar a Nissan para cobrir uma série de perdas financeiras pessoais durante a crise de 2008 e por alguns supostos pagamentos injustificados para um empresário saudita. 

Mais conteúdo sobre:
Carlos GhosnNissan

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.