Paulo Whitaker/Estadão
Paulo Whitaker/Estadão

Justiça mantém sigilo de informações societárias da JBS

Os minoritários acionaram a Justiça na tentativa de forçar a empresa a entregar o livro que relaciona os nomes de todos seus acionistas, bem como o número de ações detidas por cada um deles

Eduardo Laguna, Broadcast

15 Setembro 2017 | 19h00

A Justiça negou a abertura de informações sobre o quadro societário da JBS pedida por acionistas minoritários do frigorífico, representados no processo pela Associação dos Investidores Minoritários (Aidmin).

Os minoritários acionaram a Justiça na tentativa de forçar a empresa a entregar o livro que relaciona os nomes de todos seus acionistas, bem como o número de ações detidas por cada um deles.

A ideia era usar a documentação em processos que poderão ser movidos pelos investidores em razão de prejuízos causados pelos crimes reconhecidos pelos administradores da JBS, incluindo os irmãos Joesley e Wesley Batista, no acordo de colaboração premiada fechado com o Ministério Público.

++Discreto, Wesley é tido como gestor habilidoso

Na ação, a Aidmin argumentou que precisava conhecer a participação acionária de todos os prejudicados porque ações de responsabilidade contra os controladores podem depender de quórum que represente parcela significativa do capital social da companhia.

Em decisão que indeferiu a petição e extinguiu o processo, o juiz Marcelo Barbosa Sacramone, da 2ª Vara de Falências e Recuperações Judiciais de São Paulo, disse não ver fundamento que justificasse a apreciação do Judiciário sobre a exibição de documentos.

Mais conteúdo sobre:
Justiça JBS Wesley Batista

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.