finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Justiça pede bloqueio de plataformas da OSX

Plano de recuperação judicial prevê a venda desses equipamentos para quitar dívida

MÔNICA CIARELLI , MARIANA SALLOWICZ , MARIANA DURÃO, O Estado de S.Paulo

30 de setembro de 2014 | 02h03

RIO - Eike Batista sofreu mais um revés na Justiça ontem. O juiz titular da 39.ª Vara Cível do Rio de Janeiro, Luiz Antonio Valiera do Nascimento, determinou o arresto de dois navios-plataforma da OSX Leasing, subsidiária estrangeira da companhia de construção naval do empresário.

A decisão ocorreu após pedido da empreiteira Acciona, que tem a receber R$ 300 milhões do grupo. Procurada, a OSX disse que não comentaria a decisão.

Entre os motivos apontados para a determinação da medida cautelar estão "indícios de tentativa de dissipação patrimonial", além da existência de prova da dívida com a Acciona. A companhia de Eike, em recuperação judicial, está negociando a venda das plataformas para honrar parte de suas dívidas.

A subsidiária OSX Leasing, não incluída na recuperação judicial de outras empresas do grupo, teria demonstrado que pretende alienar as plataformas. Em sua decisão, o magistrado citou que o plano de recuperação da OSX Brasil e da OSX Construção Naval mencionou que a subsidiária tem "bens de altíssimo valor, cuja alienação gerará recursos líquidos para o grupo OSX, declarando ainda no plano de recuperação que a venda de ativos não dependeria de ordem judicial".

As empresas do grupo OSX Brasil, OSX Serviços Operacionais e OSX Construção Naval estão em recuperação judicial, mas a companhia de leasing não entrou no processo. Na decisão, o juiz afirma que o grupo apontou claramente que a venda de ativos servirá para pagar credores na recuperação judicial de empresas do mesmo grupo.

A OSX pretende se desfazer das plataformas para honrar parte das dívidas. No entanto, os bancos e "bondholders" (detentores de títulos) estrangeiros que financiaram a construção das embarcações terão preferência para receber os recursos obtidos com a venda. A dívida do grupo com essas instituições é de US$ 1,2 bilhão.

Só após descontados esses valores, o excedente seria usado para antecipar o pagamento de parte das dívidas com os demais credores, como a Acciona. A OSX tenta negociar um novo financiamento com parte desses credores e a ideia é dar preferência àqueles que aceitarem injetar dinheiro novo na companhia. Um dos pontos críticos que emperram a negociação é justamente a percepção de credores brasileiros de que o valor que restaria após a venda das plataformas e o pagamento dos "bondholders" seria muito baixo. O plano de recuperação apresentado em maio pela OSX propõe a quitação das dívidas em 25 anos.

"Agora, para massacrar os demais credores no Brasil, queriam vender as plataformas no exterior e pagar integralmente os credores estrangeiros e o eventual saldo - diga-se, inexistente - serviria para adimplemento dos credores no Brasil", diz Leonardo Antonelli, sócio do escritório Antonelli e Associados que defende alguns credores da OSX.

Plataforma. Os navios-plataforma arrestados estão em uso pela petroleira de Eike, a OGPar (antiga OGX), também em recuperação judicial. O FPSO OSX-1 faz a exploração do campo de Tubarão Azul, já o FPSO OSX-3 está em Tubarão Martelo, ambos na bacia de Campos. A medida não impede a operação das plataformas. O juiz determinou o envio de um ofício para a Diretoria de Portos e Costas, em que será informado o arresto. Um oficial de Justiça notificará as empresas, que terão cinco dias para responder.

A Acciona foi contratada, em 2012, pela OSX Construção Naval para a execução de obras destinadas à construção de parte da Unidade de Construção Naval do Açu, em São João da Barra, norte fluminense.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.