Justiça pode adiar assembléia de credores da Varig

A Justiça do Rio de Janeiro decidirá nesta quarta-feira se adia ou não a assembléia de credores da Varig, marcada inicialmente para o dia 10 de julho. O encontro teria como objetivo analisar a proposta de US$ 500 milhões feita pela VarigLog. Vale lembrar que uma vez aprovada a venda da companhia aérea nesta reunião, o leilão seria realizado no dia 12 do mesmo mês. Não havendo reunião, isso pode não ocorrer. Segundo o juiz Paulo Roberto Fragoso, que acompanha o caso de recuperação da companhia aérea, os credores não podem chegar à assembléia sem conhecer o detalhamento do plano. Entretanto, não adiantou se a Justiça pretende adiar a assembléia para que os credores possam ter tempo para analisar melhor a proposta. "Os prazos estão muito curtos e é um plano muito complexo", admitiu. Além disso, a VarigLog ainda não entregou todos os documentos necessários para a Justiça. "Na proposta está faltando números. Eles disseram, por exemplo, que vão fazer leasing. Mas leasing de quê", questionou a juíza Márcia Cunha que também acompanha o caso. Segundo fontes, os credores da Varig devem se reunir ainda nesta quarta para analisar a questão. Essas mesmas pessoas, que acompanham o caso, informam que o maior credor privado da Varig, o fundo de pensão Aerus, pode vetar a oferta da proposta da VarigLog para comprar a ex-controladora. Na avaliação do Aerus, o aporte de recursos do fundo não seria suficiente para esquecer a principal questão: qual será a sobrevivência da antiga Varig, empresa que herdará as dívidas da companhia aérea após o leilão de seus principais ativos. Este texto foi atualizado às 16h07.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.