Justiça prorroga prisão de donos da Schincariol

Não houve reconsideração da prisão temporária das pessoas detidas na Operação Cevada. A pedido da Polícia Federal, a prisão foi prorrogada pela 1.ª Vara Federal de Itaboraí. O processo corre sob segredo de Justiça. Com a prorrogação, o prazo da prisão temporária vai até sexta-feira. Os documentos apreendidos pela operação, que abrangeu 12 Estados, na quarta-feira, estão seguindo para o Rio de Janeiro.Parte dos dados apreendidos já chegou. A PF vai analisar o material, que depois será encaminhado à Receita Federal.Além do mandado ligado à Operação Cevada, a Polícia Federal cumpriu mandado de busca e apreensão, em outro processo, no escritório e em empresas ligadas ao advogado Beline José Salles Ramos, em Vitória (ES).A PF não informou a ação que deu origem aos mandados. No passado, o advogado foi alvo de outro inquérito, que apura supostas irregularidades na tramitação de ações da Justiça do Espírito Santo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.