Justiça rejeita foro privilegiado para Chico Lopes

Ex-diretor não faria jus à prerrogativa de foro porque não chegou a ocupar o cargo de presidente do BC

Marcelo Auler, Agencia Estado

10 de outubro de 2007 | 19h28

A discussão sobre o direito de foro privilegiado para o julgamento do ex-diretor do Banco Central, Francisco Lopes, foi travada em duas instâncias da Justiça Federal do Rio e rejeitada em ambas. Ela agora está sendo levantada junto ao Supremo Tribunal Federal pela defesa de Alberto Cacciola, na expectativa de anular o julgamento em que ele foi condenado a 13 anos. Chico Lopes foi condenado a 10 anos.Em todos os debates sobre o assunto ocorridos no Rio a conclusão foi unânime: Chico Lopes não faz jus à prerrogativa de foro porque não chegou a ocupar o cargo de presidente do Banco Central. Todos basearam-se em informações prestadas pelo próprio BC, quando provocado pelo então procurador geral da República, Cláudio Fonteles.Na resposta ao procurador, o BC informou oficialmente que "embora tenha sido sabatinado pela Comissão de Assuntos Econômicos do Senado em 26 de janeiro de 1999 e sua indicação para o cargo aprovada pelo Senado Federal em 28 de janeiro de 1999, o senhor Francisco Lopes não chegou a ser nomeado Presidente do Banco Central do Brasil, nem exerceu interinamente o cargo".Com base nesta informação, conforme lembrou hoje uma nota da Procuradoria Regional da República do Rio, a juíza Ana Paula Vieira de Carvalho, da 6ª Vara Federal, analisou se ele, por ter respondido como presidente na ausência do então presidente Gustavo Franco, teria direito a foro especial. Ela concluiu: "se o réu não é e nunca foi Desembargador, Ministro ou, no caso dos autos, Presidente do Banco Central, estender-lhe a previsão constitucional de foro por prerrogativa de função, em decorrência de mera substituição eventual, seria alcançar hipótese não prevista em lei ou na Constituição".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.