Justiça suspende prazo para que Nestlé venda a Garoto

O juiz Itajiba Catta Preta Neto, da 4ª Vara da Justiça Federal, em Brasília, concedeu hoje liminar suspendendo a contagem de prazo de 150 dias para que a suíça Nestlé desfaça a compra da fábrica de chocolates Garoto, conforme determinação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). A suspensão da contagem do prazo tem como objetivo permitir que o juiz Itajiba Catta Preta Neto possa ouvir o Cade. Conforme a decisão, o juiz deu um prazo de 10 dias para o Cade se manifestar.O prazo de 150 dias começou a ser contado a partir de 16 de maio, quando a decisão do Cade foi publicada no Diário Oficial da União.Na terça-feira da semana passada, a Nestlé entrou com ação na 4ª Vara contestando a decisão do Cade, que rejeitou a compra da Garoto. A operação foi efetivada em fevereiro de 2002 e somente dois anos depois foi apreciada e vetada pelo Cade, sob o argumento de que haveria uma concentração de mais de 58% do mercado de chocolates em poder da empresa suíça.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.