Marcelo Min/Estadão
Marcelo Min/Estadão

coluna

Carolina Bartunek: ESG, o que eu tenho a ver com isso?

Justiça suspende reajustes tarifários de três distribuidoras de energia

Aneel divulgou nesta terça-feira que o aumento de tarifas da Eletroacre foi suspenso por decisão judicial; no fim do ano passado, foram cancelados reajustes de distribuidoras em Rondônia e no Amapá

Anne Warth, O Estado de S.Paulo

08 de janeiro de 2019 | 17h29

BRASÍLIA - Já são três os reajustes tarifários de distribuidoras de energia suspensos por decisões judiciais. A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) informou nesta terça-feira, 8, que o reajuste das tarifas da Eletroacre deixou de ter validade. No fim do ano passado, decisões judiciais semelhantes cancelaram os reajustes da Ceron, que atua em Rondônia, e da CEA, no Amapá. A Advocacia Geral da União (AGU) vai recorrer de todas as decisões.

As ações judiciais não estão relacionadas, mas mostram a resistência da sociedade aos elevados índices de reajuste da conta de luz aprovados nos últimos anos. A Eletroacre e a Ceron pertenciam à Eletrobras, empresa do governo federal, mas foram privatizadas em agosto e agora pertencem ao grupo Energisa. A CEA pertence ao Estado do Amapá e também deve ser vendida em breve.

Todos os aumentos foram autorizados pela Aneel em dezembro. As novas tarifas da Eletroacre tiveram alta de 21,29%. A conta de luz dos clientes da Ceron foi elevada em 25,34%. Para a Companhia Energética do Amapá (CEA), o aumento médio foi de 4,60%, mas, no ano anterior, a elevação havia sido de 37,02%.

A Eletroacre e a Ceron acabaram de ser privatizadas, e o leilão teve como critério de escolha aquele que oferecesse o maior desconto tarifário para os consumidores. Sem a venda do controle das empresas, o aumento poderia ser ainda maior. A Eletroacre teria reajuste de 24,71%, e a Ceron, de 32,25%.

A CEA, por sua vez, pertence ao Estado do Amapá e tem a gestão compartilhada com a Eletrobras, mas está na lista de privatizações do governo. A venda da companhia será coordenada pelo Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), e os estudos serão contratados pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

A liminar que suspende o reajuste da Eletroacre foi concedida pela 2ª Vara da Justiça Federal do Acre. A ação é de autoria da Defensoria Pública do Estado, que alega que a Energisa, dona da companhia, não fez investimentos que justifiquem o aumento.

A ação para suspender o reajuste da CEA é de autoria do senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP). A liminar foi concedida pela 2ª Vara Federal Cível da Seção Judiciária do Estado do Amapá. Na ação, o senador cobra que o índice de perdas da companhia, repassado às tarifas, seja coberto por recursos do orçamento do Estado, que é dono da companhia.

No caso da Ceron, a ação civil pública foi ajuizada pelo Ministério Público Federal, Ministério Público do Estado de Rondônia, Conselho Estadual de Defesa do Consumidor e Defensoria Pública do Estado de Rondônia. Os órgãos queriam limitar o reajuste à variação da inflação. A liminar foi concedida pela 1ª Vara Federal Cível da Seção Judiciária do Estado de Rondônia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.