Kenneth Lay renuncia ao cargo de presidente da Enron

Kenneth L. Lay renunciou aos cargos de chairman e executivo-chefe da Enron Corp na noite passada, menos de 24 horas depois que o comitê de credores nomeado pelo tribunal pediu seu afastamento. A companhia e o comitê estão agora procurando um executivo-chefe interino que acompanhará a reestruturação da Enron. A companhia também está buscando separadamente um novo chairman. O comitê, composto por 15 credores da Enron, contatou a companhia por volta das 21h locais de terça-feira para pedir o afastamento de Lay e a nomeação de um executivo para reestruturar a empresa, segundo Thomas Roberts, da Weil Gotshal & Manges, conselheiro da Enron. Roberts disse que encaminhou o pedido a Lay, que apresentou sua renúncia durante a reunião da comissão da Enron na manhã de ontem. Lay continuará na comissão executiva da Enron."Eu quero que a Enron sobreviva, e para que isso aconteça, precisamos de alguém que possa centrar 100% do foco na reorganização", afirmou Lay num comunicado. "Infelizmente, com os múltiplos inquéritos e investigações que atualmente tomam boa parte do meu tempo, está se tornando cada vez mais difícil me concentrar totalmente no que é mais importante para os acionistas da Enron", acrescenta a nota.Nas últimas semanas, Lay vinha se esforçando para pôr um fim à crise que levou à concordata a empresa que ele ajudou a construir, segundo o jornal The Wall Street Journal. Em 1985, Lay assumiu um gasoduto de segunda linha, formado pela fusão da Houston Natural Gas e pela InterNorth Inc., e o transformou na maior empresa comercializadora de energia do país. Lay havia renunciado ao cargo de executivo-chefe em janeiro de 2001, mas retornou ao posto quando seu sucessor, Jeffrey K. Skilling, renunciou em agosto, em meio à forte queda das ações da empresa. As informações são da agência Dow Jones.

Agencia Estado,

24 de janeiro de 2002 | 15h25

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.