Kirchner assina acordo para duplicação de gasoduto

O presidente Néstor Kirchner presidiu, no começo da tarde desta quarta-feira, a solenidade de assinatura do acordo entre o governo argentino e a Petrobrás para a realização das obras de duplicação do gasoduto San Martin, da TGS (Transportadora de Gas del Sur), empresa controlada pela petrolífera brasileira. A obra duplicará o gasoduto desde o extremo sul da Patagônia até a província de Buenos Aires. A Petrobrás Energia, filial argentina, ainda não divulgou o conteúdo do documento. Marco O acordo - adiado inúmeras vezes por falta de garantias da Argentina ao financiamento de US$ 142 milhões do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) - institui o marco para a estruturação financeira do chamado "Fideicomisso Gas", que é um fundo criado para dar garantias de financiamento da obra de duplicação do gasoduto San Martin. O documento estabelece as medidas necessárias para avançar com o projeto que provocou um conflito político entre os dois países. A obra vai permitir um aumento da capacidade de transporte da TGS e 2,9 milhões m3/dia de gás. O acordo determina que a TGS será "gerenciadora do projeto", encarregada pela operação e manutenção das novas instalações. A obra está orçada em US$ 285 milhões, dos quais US$ 245 estarão garantidos pelo Fideicomiso de Gas. Os US$ 44 milhões restantes serão por conta de investimentos diretos da TGS. Junto com CIESA e Enron, a Petrobrás possui 70% de participação no capital acionário da TGS, sendo que a empresa brasileira também possui 50% da CIESA. A assinatura do documento era o último detalhe que faltava à Petrobrás para obter o financiamento do BNDES. Para que a obra esteja concluída até o próximo inverno e não sofra nenhum atraso, a Petrobrás se compromete a investir os recursos necessários até que o crédito do BNDES seja liberado. De acordo com o diretor Geral Executivo da Petrobrás Energia, Alberto Guimarães, a atitude da empresa reitera o compromisso que a mesma mantém com a Argentina. "Quando fizemos o maior investimento da história de nossa companhia fora do Brasil, na Argentina, em um momento crítico da economia desse país, mostramos nossa confiança neste país e em seu desenvolvimento", afirmou Guimarães durante a solenidade de assinatura do acordo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.