Kirchner assina projeto que põe fim à previdência privada

A presidente Cristina Kirchner assinou hoje o projeto de lei que reforma o sistema previdenciário da Argentina. O projeto elimina os fundos de pensão privados e transfere os recursos para o Estado. O sistema de aposentadoria e pensão passará a ser administrado pelo governo, se o projeto for aprovado pela Câmara e pelo Senado. "Estamos adotando essa decisão em um contexto internacional em que os principais Estados, integrantes do G-8 (grupo dos sete países mais industrializados do mundo e a Rússia) e também de outros que não fazem parte do G-8, estão adotando uma política de proteção para bancos e, no nosso caso, estamos protegendo os aposentados, os trabalhadores", afirmou a presidente em seu discurso durante a solenidade de assinatura do projeto de lei."A situação financeira internacional está mostrando que estávamos certos em nossa postura de que o Estado está aí para assumir a responsabilidade de políticas públicas", insistiu a presidente. "O que estamos fazendo hoje é uma decisão estratégica."Cristina Kirchner também se defendeu das acusações da oposição e dos fundos de pensão de que a medida foi desenhada para que o governo engrosse seu caixa. "Quando este governo decide intervir na Aerolíneas Argentinas não o faz pensando no caixa, mas pensando em conseguir competitividade em todo nosso país. Quando assumimos a companhia de Águas Argentinas, não pensamos no caixa, mas pensamos nos setores mais vulneráveis da cidade que não contavam com água e esgoto", argumentou."Defendemos o caixa da Anses" (Administração Nacional de Seguridade Social, similar ao Ministério de Previdência), disse Cristina, afirmando que quando o governo decidiu intervir ou assumir o controle de empresas privatizadas, elas já tinham sido saqueadas. Por isso, "tomamos essa medida estratégica para proteger os recursos dos aposentados e pensionistas antes que sofressem danos".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.