Kirchner espera US$ 20 bilhões de investimento chinês

O governo do presidente argentino Néstor Kirchner desvendou o conteúdo geral do "mega-anúncio" que realizará detalhadamente daqui a sete dias. Neste fim de semana, o chanceler Rafael Bielsa declarou que o segredo consiste em um super-pacote de investimentos da China na Argentina. Extra-oficialmente, assessores da Casa Rosada sustentam que os investimentos poderiam chegar a US$ 20 bilhões.Se o "mega-anúncio" de US$ 20 bilhões se concretizar, será o maior volume de investimentos que a Argentina receberá desde o início dos anos 90, quando o país abriu sua economia e privatizou as empresas estatais. Os investimentos chineses poderiam acelerar a lenta recuperação econômica do país. Com o eventual desembarque dos investimentos chineses, a Argentina poderia tornar-se mais autônoma dos intensos vínculos comerciais que atualmente possui com o Brasil.Mas, os políticos da oposição e a grande maioria dos analistas econômicos ainda estão céticos sobre a realidade destes anúncios. "Para mim tudo não passa de uma grande mentira, de delírio", disparou Elisa Carrió, do centro-esquerdista Argentinos por uma República Igualitária (ARI). Outras lideranças afirmam que o governo está correndo o risco de criar expectativas demasiado grandes que depois não satisfaria.O ceticismo dos opositores contrasta com o otimismo do presidente Kirchner, que na semana passada ufanou-se antecipadamente do acordo com a China, afirmando que o impacto do "mega-anúncio" o imortalizaria, reservando-lhe um lugar na História do país.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.