Kirchner paga hoje dívida da Argentina com o FMI

Esta terça-feira será especial para o presidente da Argentina, Néstor Kirchner, já que cumprirá um de seus principais desejos alentados desde o início de seu mandato, em maio de 2003: vai quitar toda a dívida do país com o Fundo Monetário Internacional. Dos US$ 9,810 bilhões, US$ 297 milhões foram pagos na semana passada e o restante será pago hoje pelo Banco Central. O dinheiro sairá das reservas do BC, que até ontem somavam US$ 28,045 bilhões. No Governo, há a confiança de o nível de US$ 18,539 bilhões de reservas é suficiente para proteger a Argentina de qualquer eventualidade especulativa. O BC está convencido de que é preciso reforçar o colchão financeiro das reservas e o fará ao longo desse ano para recuperar todo o dinheiro utilizado no pagamento ao FMI. Segundo fonte do BC, a primeira idéia é dar continuidade à compra de divisas, o que também ajuda a manter a moeda na casa desejada por Kirchner, entre 2,90 a 3 pesos.Porém, não está descartada a alternativa de realizar uma nova emissão de títulos, os quais seriam adquiridos pelo governo do presidente Hugo Chávez, da Venezuela, quem já comprou mais de US$ 1,5 bilhão de bônus argentinos. Uma fonte do ministério de Economia explicou que a ministra Felisa Miceli, quer recuperar o nível das reservas até o final de 2006. O objetivo é compartilhado pelo presidente da entidade, Martín Redrado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.