Félix Leal/AEN
Félix Leal/AEN

Klabin anuncia 23 novas metas para avançar no desenvolvimento sustentável

Até 2030, companhia brasileira espera ter uma matriz energética 92% renovável, com economia de baixo carbono e um consumo de água 20% menor

Wagner Gomes, O Estado de S.Paulo

04 de dezembro de 2020 | 05h00

Primeira empresa brasileira a emitir um green bond (títulos de dívida que buscam unir sustentabilidade com retorno financeiro) de 30 anos, a Klabin está usando as exigências desses papéis para avançar no desenvolvimento sustentável. A fabricante de papel anuncia nesta sexta-feira, 4, 23 metas nessa direção. Entre os objetivos, a empresa buscará ter, até 2030, uma matriz energética 92% renovável, com economia de baixo carbono. Também quer reduzir em 20% o consumo de água.

Segundo Francisco Razzolini, diretor de tecnologia industrial, inovação, sustentabilidade e projetos da Klabin, como o dinheiro captado tem de ir necessariamente a projetos dessa natureza, cria-se um ciclo virtuoso – com a redução as emissões reforçando o compromisso e o desempenho sócio-ambiental da companhia. Não é a toa que a meta principal será de redução de emissão de carbono das operações. O objetivo é capturar, em 10 anos, 45 milhões de toneladas de carbono por meio das operações florestais.

Razzolini diz que a Klabin tem em estoque de 4,7 milhões de toneladas de carbono equivalente. Essa unidade de medida equivale ao balanço entre os gases emitidos e captados pela empresa, em suas operações durante 2019. As florestas tiveram papel importante nessa conta.

Apesar de ainda não existir nenhum mecanismo oficial de negociação de carbono, o estoque pode gerar crédito para a negociação no mercado. A empresa também trabalha em iniciativas bilaterais, com negociações diretas com outras companhias. “Ainda não há previsão de que isso se concretize no curto prazo”, afirma. “Mas a Klabin está preparada e tem potencial de entrar em negociação”.

Em relação ao uso da água, a companhia reduziu, nos últimos 15 anos, em 45% o consumo em suas fábricas. “Agora estamos propondo redução de mais 20%. Também é uma redução financiada pelo mecanismo dos green bonds”, diz.

Para ele, a sustentabilidade ganhou projeção. “Vários fundos só investem em companhias que colocam essa questão como prioritária”, diz.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.