finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Klabin reverte prejuízo e tem lucro de R$244 mi no 2º tri

A Klabin encerrou o segundo trimestre com lucro líquido de 244 milhões de reais, revertendo resultado negativo de um ano antes, favorecida pela valorização do real ante o dólar, que permitiu um aumento no preço médio do papel, mas pesou sobre exportações.

REUTERS

30 de julho de 2014 | 10h45

A Klabin, maior fabricante de papel para embalagens do Brasil, teve prejuízo de 130 milhões de reais um ano antes, quando o dólar mais forte havia impactado a dívida em moeda estrangeira da companhia.

De abril a junho de 2014, o preço médio em reais do papel aumentou 6 por cento em relação ao segundo trimestre de 2013, ajudando a compensar queda no volume de vendas da companhia.

As vendas em volume caíram 2 por cento na comparação anual, somando 419 mil toneladas, impactadas pela parada mais longa que o esperado para manutenção da fábrica de Monte Alegre, no Paraná.

A geração de caixa medida pelo lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) ajustado da Klabin somou 334 milhões de reais, 8 por cento acima do apurado um ano antes, e praticamente em linha com previsão média de analistas de 336 milhões de reais, segundo pesquisa Reuters. A expectativa para o lucro líquido era de 237 milhões de reais.

Às 10h36, as ações da empresa exibiam valorização de 0,44 por cento, a 2,26 reais, enquanto o Ibovespa tinha alta de 0,27 por cento.

As vendas domésticas da Klabin ficaram estáveis em relação ao segundo trimestre do ano passado, a 296 mil toneladas, enquanto as externas caíram 6 por cento, a 123 mil toneladas.

A empresa terminou o semestre com dívida líquida de 2,82 bilhões de reais, queda de 18 por cento sobre o mesmo período de 2013. A relação dívida líquida sobre Ebitda passou de 2,4 para 1,7 vezes no período.

(Por Priscila Jordão)

Tudo o que sabemos sobre:
PAPELKLABINRESULTS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.