Kliass é demitido por se opor à tributação

O ministro da Previdência Social, Waldeck Ornélas, demitiu ontem o secretário de Previdência Complementar, Paulo Kliass. Segundo fontes do Ministério da Previdência, o ministro ficou aborrecido com as opiniões manifestadas por Kliass a respeito da incidência do Imposto de Renda sobre os fundos de pensão. "É um assunto ainda em discussão no âmbito do governo e do Congresso", disse a fonte. No lugar de Kliass, assumirá a atual chefe da Assessoria Econômica do Ministério, Solange Paiva Vieira.Embora ressaltando o relacionamento pessoal e a amizade que tem com o ministro Waldeck Ornélas, o secretário demitido disse que na questão do IR nada mais fez do que defender uma posição de governo. "Existe uma posição de governo de que o IR não deve ser cobrado no período de capitalização, mas apenas no período da aquisição da renda", afirmou. Segundo ele esta posição está clara no projeto, já aprovada por unanimidade na Câmara, que hoje está no Senado tendo como relator o senador Romero Jucá (PSDB-RR).Funcionário público de carreira, Kliass assumiu a Previdência Complementar em maio de 1998. No final do mesmo ano foi aprovada a emenda constitucional número 20, que obrigou o Executivo a encaminhar, rapidamente ao Congresso, os projetos de lei complementares para regulamentar os fundos de pensão. A secretaria trabalhou duro para fazer os três projetos, que ainda estão em tramitação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.