KNOC faz oferta hostil de US$ 2,9 bilhões para comprar a Dana Petroleum

Proposta se segue ao colapso das negociações entre as duas companhias no dia 8 de agosto 

Clarissa Mangueira, da Agência Estado,

20 de agosto de 2010 | 08h41

A empresa estatal sul-coreana Korea National Oil Corp. (KNOC) anunciou que lançou uma oferta hostil para comprar a Dana Petroleum, depois de garantir apoio irrevogável para sua proposta de 48,62% dos acionistas da companhia britânica. Às 8h25 (de Brasília), as ações da Dana avançavam 5,66% na Bolsa de Londres.

A oferta avalia a Dana em 1,87 bilhão de libras (US$ 2,90 bilhões) e se segue ao colapso das negociações entre as duas companhias no dia 8 de agosto. Os dois lados foram incapazes de chegar a um acordo sobre o preço, depois que o conselho de administração da Dana recusou-se a aprovar a oferta da KNOC de 1.800 pence por cada ação da empresa britânica, apesar da pressão de grandes investidores.

"Sempre foi nosso desejo chegar a um acordo com a Dana e nós estamos muito desapontados que o conselho de administração da companhia não concorda que 1.800 pence por ação representa um valor completo e justo para a empresa", disse a KNOC em comunicado.

A oferta da companhia sul-coreana representa um prêmio de 59% sobre o preço de fechamento da ação da Dana no dia 30 de junho, último dia de negociação dos papéis antes de a KNOC anunciar a proposta.

Cartas de intenções foram assinadas por vários dos maiores acionistas da Dana, inclusive o Schroders Investment Management, o BlackRock Investment Management e o JPMorgan Asset Management. Com 15,5% das ações da Dana, a Schroders é o maior investidor da empresa.

"Nós acreditamos que a Korea National Oil Corporation está oferecendo um preço justo pela Dana Petroleum. Nós esperamos que o conselho de administração da Dana agirá no melhor interesse de seus acionistas, que expressaram claramente seu apoio para esta transação", afirmou o executivo-chefe da Octavian Advisors, Richard Hurowitz. A consultoria tem 0,77% das ações da empresa britânica.

A abordagem direta da companhia sul-coreana aos acionistas da Dana ressalta o forte desejo das nações asiáticas industrializadas de garantir o fornecimento de petróleo e gás no mundo inteiro. A aquisição da Dana Petroleum daria à KNOC acesso a uma base de recursos na Europa e no norte da África.

A empresa sul-coreana afirmou que terá o controle efetivo da Dana Petroleum, se obter mais de 50% das ações da empresa britânica.

A KNOC já está perto de atingir a marca de 50%, sugerindo que é "provável que o negócio seja fechado", disse em nota o analista da Oriel Securities Nick Copeman.

A oferta da KNOC pela Dana é parte de um esforço da companhia para elevar sua eficiência energética de 9% para 20% até 2013, na sequência de uma expansão agressiva de seus ativos em 2009. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.