Köhler admite que FMI precisa ser reformado

O diretor-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Horst Köhler, admitiu hoje que a experiência recente das intervenções do Fundo na América Latina ressalta a necessidade de reforma da instituição. "A experiência recente na América Latina deveria nos tornar mais humildes sobre nosso próprio desempenho", afirmou Köhler, na palestra "Investindo numa melhor globalização". "O FMI também tem muitas questões inacabadas. Nós, claramente, temos que implementar as iniciativas que já estão em curso", disse.Köhler declarou que há necessidade de maior reforma em algumas áreas cruciais. "Primeiro, temos que melhorar a capacidade do FMI em prevenção de crises", disse. Nessa questão, segundo ele, é preciso combinar a ambição de prevenir crises com o reconhecimento de que algum grau de "overshooting" e correção - "e portanto algum risco de crise" - é inevitável numa economia de mercado. Ele acredita que o Fundo deve ajudar países membros a implementarem mecanismos que absorvam choques para lidar com os riscos, incluindo melhor gerenciamento da dívida e das reservas, além de regimes cambiais mais flexíveis, entre outros.Segundo ele, outra área que necessita de reforma é o fortalecimento de um arcabouço na resolução de crises. "Estamos trabalhando em direção a um modelo integrado, combinando políticas de acesso, análise sistemática de sustentabilidade da dívida, maior seletividade nos empréstimos do Fundo e melhor mecanismo de reestruturação de dívidas", explicou. Köhler enfatizou que, para minimizar os problemas com "moral hazard", o Fundo pretende tornar mais clara e previsível a política de acesso dos países aos seus recursos.Quanto à reestruturação de dívida, Köhler disse que o Fundo está trabalhando em alguma forma de estatuto de um Mecanismo de Reestruturação de Dívida Soberana, pelo qual promoverá o uso de cláusulas de ação coletiva nos contratos de dívida, permitindo que um devedor soberano e uma grande maioria dos credores possam chegar a um acordo que afete a todos os credores.Köhler também ressaltou outra área que necessita de reforma no FMI - a de governança e responsabilidade (accountability) do Fundo. "Isso inclui a consideração de um processo mais aberto e transparente de seleção do cargo de diretor-gerente do FMI, da revisão contínua do papel e dos procedimentos da Diretoria-Executiva e da revisão da participação das cotas", afirmou. "Sou a favor de que a atual distribuição das cotas no FMI precisa ser reconsiderada, especialmente para corrigir uma sub-representação de um número de países dos mercados emergentes", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.