Kroetz: lista para a UE vai crescer 'com consistência'

O secretário de Defesa Agropecuária, Inácio Kroetz, afirmou hoje que a lista de fazendas aptas a fornecer animais para frigoríficos que abastecem a União Européia (UE) vai crescer, mas com consistência. O governo anunciou hoje a suspensão de novas inclusões de Estabelecimentos Rurais (Eras) na base nacional de dados do serviço brasileiro de rastreabilidade, o Sisbov. A decisão foi comemorada pelo secretário de Agricultura de Minas Gerais, Gilman Viana Rodrigues. "Se há um monte de gente querendo casar dentro de um lugar não adianta permitir a entrada de mais pessoas solteiras", disse. Segundo o governo, novas inclusões de Eras no Sisbov só poderão ser feitas depois que o serviço prestado por cada uma das certificadoras for examinado. Para isso, as certificadoras serão novamente auditadas pelo Ministério da Agricultura. Caso o serviço seja considerado adequado a empresa poderá incluir novos estabelecimentos na base de dados. Caso contrário a certificadora poderá ser descredenciada. Hoje 47 empresas são habilitadas pelo Ministério e 10.200 propriedades estão incluídas no sistema de rastreamento.Kroetz também disse que três técnicos da União Européia participarão de treinamentos que serão oferecidos a partir do próximo 31 a 200 fiscais federais e estaduais. Os Estados poderão certificar o processo do Sisbov. Segundo o secretário, faltou cobrança dos produtores quanto ao serviço prestado pelas empresas. "As certificadoras não corresponderam às expectativas. As poucas e boas empresas devem ser valorizadas", disse Kroetz. Ele afirmou ainda que a UE deu um novo voto de confiança ao Brasil. "Ganhamos crédito mais uma vez e temos que fazer jus a ele". Durante a reunião, o diretor do Departamento de Saúde Animal, do Ministério da Agricultura, Jamil Gomes de Souza, disse que a UE já sinalizou que as questões sanitárias serão o foco da próxima visita técnica ao País. Ele considerou a situação sanitária da Bolívia "extremamente preocupante" e pediu reforço dos Estados que fazem fronteira com o país.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.