Kroton compra Unopar por R$ 1,3 bi e cresce em educação à distância

A Kroton Educacional, grupo mais conhecido pela marca Pitágoras, anunciou ontem a compra da Universidade Norte do Paraná (Unopar) com o objetivo de fortalecer sua plataforma de ensino à distância.

FERNANDO SCHELLER, O Estado de S.Paulo

17 de dezembro de 2011 | 03h08

A Kroton, que tem o fundo Advent entre seus sócios, pagou R$ 1,3 bilhão pela Unopar, que era líder no segmento: dos 162 mil alunos atuais da instituição, apenas 16 mil frequentam cursos regulares, em câmpus de três cidades paranaenses (Londrina, Bandeirantes e Arapongas).

Fundada em 1972 em Londrina, ainda como Cesulon (sigla para Centro de Estudos Superiores de Londrina), a instituição ganhou status de universidade no início dos anos 1990, mas o negócio só decolou quando o foco mudou dos cursos presenciais - restritos ao Norte do Paraná - para as graduações e cursos técnicos profissionalizantes ministrados à distância. Entre os cursos superiores atualmente oferecidos pela Unopar por meio de teleaulas estão Administração, Ciências Contábeis, História, Pedagogia, Serviço Social e Letras.

Os alunos dos cursos à distância, por determinação do Ministério da Educação, precisam frequentar um porcentual de aulas presenciais. Por isso, a Unopar mantém hoje 469 pontos de apoio ao ensino à distância, espalhados por mais de 400 municípios brasileiros. Segundo comunicado divulgado pela Kroton, a incorporação da estrutura da Unopar aumentará para 616 polos de ensino à distância, que cobrem mais de 700 municípios brasileiros. A aquisição elevará o número de alunos de ensino superior do grupo a 264 mil.

Pagamento. A Kroton vai desembolsar R$ 1,3 bilhão por 100% do capital da Unopar. A primeira parcela, de R$ 650 milhões, será paga à vista. Outra fatia de R$ 260 milhões será paga até 14 de março de 2012, enquanto outros R$ 130 milhões deverão ser saldados até um ano depois da assinatura do contrato entre as partes. Esses pagamentos serão suficientes para a compra de 80% do capital. Os R$ 130 milhões restantes, equivalentes a 20% do negócio, serão quitados em ações da Kroton, que serão repassadas aos atuais proprietários da Unopar.

Para viabilizar o negócio, a Kroton tomou um empréstimo de R$ 550 milhões no Bradesco (a juros de CDI mais 2%) - a empresa deverá emitir debêntures para esticar o prazo da dívida, conforme acertado com o Bradesco BBI, que participou do fechamento da operação.

Emissão. A Kroton, que já realizou uma oferta de ações que captou R$ 395 milhões este ano, já aprovou uma nova emissão com o objetivo de levantar mais R$ 600 milhões. O objetivo é angariar recursos para o pagamento da dívida assumida com a Unopar. Ontem, depois do anúncio do negócio, os papéis da Kroton na BM&FBovespa fecharam em queda de 3,45%, cotados a R$ 18,73.

A Kroton Educacional encerrou os primeiros nove meses de 2011 com receita de R$ 537 milhões, uma alta de 9% em relação a igual período do ano passado (quando a receita ficou em R$ 492 milhões). Depois de comprar a mato-grossense Iuni, no ano passado, a empresa vem trabalhando para aumentar sua rede em vários locais do País, com a aquisição de faculdades regionais de pequeno porte no Maranhão, na Bahia, no Paraná e no Amapá.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.