Kuroda diz que BC japonês tem tomado as medidas necessárias para meta de inflação

O Banco do Japão, banco central do país, tem dado todos os passos necessários para atingir sua meta de inflação de 2 por cento em dois anos e irá tentar minimizar as dificuldades do mercado decorrentes de sua compra de títulos em massa, disse nesta sexta-feira o presidente do BC japonês.

Reuters

12 de abril de 2013 | 09h14

Haruhiko Kuroda admitiu que algumas pessoas duvidem de que o BC possa atingir sua meta de inflação e disse que eventos inesperados podem significar que isso poderá levar mais tempo do que o planejado para acontecer, mas afirmou que o banco vai manter sua nova política pelo tempo que for necessário.

"Nós sentimos que demos todos os passos necessários para atingir 2 por cento de inflação em dois anos, mas não é apropriado limitar nossa política a dois anos", disse Kuroda em discurso.

"Não hesitaremos em ajustar a política no futuro, visto que a economia é como uma coisa viva e há tanto riscos de alta como de baixa."

O Banco do Japão chocou os mercados financeiros na semana passada, prometendo injetar cerca de 1,4 trilhão de dólares na economia em menos de dois anos, comprando títulos do governo e ativos de risco.

Kuroda reconheceu que a escala de compras é tão grande que poderá afetar o mercado de títulos, mas está confiante de que o BC japonês pode comprar os títulos que necessita de modo suave.

O BC japonês também irá monitorar os gastos do consumidor, despesas de capital e as exportações para medir o impacto de sua política e fazer ajustes quando necessário.

Na semana passada, Kuroda fez o BC se comprometer com a compra ilimitada de ativos e disse que a base monetária irá quase dobrar para 270 trilhões de ienes (2,71 trilhões de dólares) até o fim de 2014 em uma ação de choque para acabar com duas décadas de estagnação.

(Por Leika Kihara e Stanley White)

Tudo o que sabemos sobre:
MACROJAPAOKURODA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.