Kuroda diz que BoJ sairá de flexibilização corretamente

O presidente do Banco do Japão (BoJ, na sigla em inglês), Haruhiko Kuroda, afirmou nesta terça-feira que o banco central japonês terá que considerar as condições econômicas internacionais quando começar a planejar a saída do programa de flexibilização atual.

MARCELO RIBEIRO SILVA, COM INFORMAÇÕES DA DOW JONES NEWSWIRES, Agencia Estado

04 de fevereiro de 2014 | 04h04

"Nós vamos ter que considerar as condições econômicas e financeiras bem como a evolução da economia internacional para decidir detalhes de qualquer política de saída do programa de flexibilização", avaliou Kuroda durante uma sessão parlamentar.

O presidente do BoJ falava enquanto os mercados acionários globais estavam em declínio refletindo as preocupações em relação à redução do programa de estímulos do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) que poderia estar impactando sobre os mercados emergentes. Esses mercados recebem investimentos internacionais, inclusive dos Estados Unidos, para sustentar o seu crescimento.

As declarações de Kuroda sinalizam que o BoJ considera necessário prestar atenção às condições econômicas globais ao decidir seus próprios passos para sair da flexibilização atual. O presidente do BoJ demonstrou confiança no estabelecimento de uma saída suave das medidas de flexibilização do país.

"Acredito que o BoJ será capaz de realizar uma saída adequada do programa de flexibilização", afirmou Kuroda, acrescentando que ainda é cedo para debater as estratégias de saída do programa.

Além disso, Kuroda reforçou que a economia japonesa está se recuperando e que está no caminho para atingir a meta de inflação em 2%. O presidente do banco central japonês acredita que a economia do país deve atingir essa meta a partir do final do próximo ano fiscal em 2015.

O primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, disse nesta terça-feira que espera que o BoJ faça decisão adequada sobre política monetária.

Tudo o que sabemos sobre:
japãobojkurodaflexibilização

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.