Kuroda expressa preocupação com força do iene

O presidente do Banco do Japão (BoJ, na sigla em inglês), Haruhiko Kuroda, disse ver pouca razão para o iene se fortalecer ante as principais moedas, sinalizando preocupação de que uma valorização da divisa possa prejudicar a economia japonesa e o combate do banco central à deflação.

AE, Agencia Estado

23 de maio de 2014 | 12h25

Enquanto outros presidentes anteriores do BoJ evitaram discutir abertamente as taxas cambiais, Kuroda descreveu em detalhes para o Wall Street Journal por que investidores não devem esperar que o iene avance, mesmo a moeda estando próxima dos maiores níveis em meses.

Ele afirmou que a economia dos EUA "está se recuperando muito fortemente", mais que o Japão, argumentando que isso não deve resultar em um iene mais forte. "Nesse tipo de situação, não acho ser razoável esperar que o iene se aprecia ante o dólar", disse Kuroda.

O dirigente afirmou ainda que, quando chegar a hora de o BoJ retirar suas medidas de estímulo após ter alcançado seus objetivos, o iene não deve subir. "Não acredito que o iene deve se apreciar, mesmo nessa situação", frisou.

Kuroda também disse que a moeda japonesa está "bastante forte" ante o euro, se comparada ao nível de antes da crise financeira de 2008. A moeda europeia avançou cerca de 50% ante o iene nos últimos dois anos, principalmente devido ao programa de relaxamento monetário do BoJ.

O dirigente mostrou otimismo em relação à economia japonesa, mas deixou aberta a opção de mais medidas de estímulo se a recuperação se desviar do caminho pretendido pelo banco central. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
Japãoeconomia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.