Daniel Roland/AFP
Daniel Roland/AFP

Kuroda tem mandato renovado na presidência do Banco Central do Japão

Ele é um dos principais arquitetos da recuperação da economia japonesa graças a uma política monetária ambiciosa, que se estabeleceu após sua chegada à frente da instituição em 2013

Agence France-Presse

16 Março 2018 | 02h44

TÓQUIO - O parlamento japonês aprovou nesta sexta-feira, 16, a renovação do mandato de Haruhiko Kuroda por mais cinco anos no comando do Banco Central do Japão, com a esperança de que ele possa pôr fim à deflação. 

O primeiro-ministro, Shinzo Abe, propôs, em meados de fevereiro, renovar o mandato de Kuroda, de 73 anos, um dos principais arquitetos da recuperação da economia japonesa graças a uma política monetária ambiciosa, que se estabeleceu após sua chegada à frente da instituição no início de 2013.

Esperava-se que a proposta de Abe fosse validada, já que a Câmara dos Deputados e o Senado são dominados pela coalizão conservadora no poder.

Se Kuroda terminar seu segundo mandato (em 2023, em princípio), ele se tornará o presidente mais longevo, depois de Hisato Ichimada (1946-1954).

+++ Alerta para risco financeiro é reforçado em Davos

O ex-diretor do Banco Asiático de Desenvolvimento prometeu continuar com as medidas de expansão do orçamento até atingir sua meta de inflação de 2%, que ele espera alcançar em 2019/2020, embora o primeiro horizonte marcado seja 2015.

Além disso, o parlamento aprovou também as indicações de Masayoshi Amamiya, um alto funcionário do BoJ, e Masazumi Wakatabe, professor universitário, como vice-presidentes do banco central japonês, ambos apoiadores das medidas de expansão do orçamento. /AFP

Mais conteúdo sobre:
Japão [Ásia]Tóquio [Japão]

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.